Meningocócica B

A doença meningocócica é considerada um problema de saúde pública mundial. Dados do Ministério da Saúde indicam que no Brasil, 21.321 pessoas foram infectadas pela bactéria Neisseria meningitidis em 2012.

A doença meningocócica é uma doença altamente contagiosa, com consequências potencialmente incapacitantes, como surdez, epilepsia e outras desordens neurológicas; em casos graves, pode até ser fatal. O maior risco de contrair a doença é em crianças e bebês nos primeiros quatro anos de suas vidas, com um segundo pico em adolescentes. Certos grupos, como os viajantes para áreas com níveis endêmicos de doença meningocócica ou exposição a situações de superlotação, podem estar em maior risco de doença meningocócica.

A Neisseria meningitidis é um diplococo Gram negativo que causa doença invasiva (como meningite e sepse) com risco de morte. Globalmente, 5 sorogrupos, A, B, C, Y e W-135 causam quase todas as infecções meningocócicas invasivas.

A presença de anticorpos bactericidas séricos protege contra a doença meningocócica invasiva. A vacinação com a vacina meningocócica B (Bexsero) leva a produção de anticorpos bactericidas contra a bactéria do sorogrupo B.

1. Apresentação
A vacina meningocócica B (Bexsero) é apresentada sob a forma de suspensão injetável.

2. Composição
A vacina meningocócica B (Bexsero) possui proteínas de Neisseria meningitidis do sorogrupo B produzidas através da técnica de DNA recombinante. A vacina possui as seguintes proteínas:

Proteína de fusão NHBA recombinante (50 mcg)                                                                                 Proteína NadA recombinante 50 (mcg)                                                                                                   Proteína de fusão fHbp recombinante (50 mcg)                                                                                   Antígeno PorA P1.4 presente nas vesículas de membrana externa (VME) (25 mcg)

A vacina é adsorvida em hidróxido de alumínio.

3. Indicação
A vacina meningocócica B (Bexsero) é indicada para imunização ativa de indivíduos a partir de 2 meses de idade.

4. Contraindicação e precauções
Hipersensibilidade a substância ativa ou a qualquer excipiente da vacina.

A administração da vacina meningocócica B (Bexsero) deve ser adiada em indivíduos que estejam com doença febril aguda.

Bexsero não deve ser administrada em indivíduos com trombocitopenia (plaquetas baixas) ou qualquer perturbação da coagulação que seja contraindicação da injeção por via intramuscular, exceto quando os benefícios potenciais são claramente superiores ao risco da administração.

Bexsero pode ser administrada em simultâneo com qualquer um dos seguintes antígenos de vacina, quer como vacinas monovalentes ou combinadas: difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenzae tipo b, poliomielite inativada, hepatite B, pneumocócica conjugada, sarampo, papeira, rubéola e varicela. A administração concomitante de Bexsero com vacinas além das mencionadas não foi estudada. Quando administrada concomitantemente com outras vacinas, Bexsero deve ser administrada em local de injeção distinto.

Notas:
 Não há estudos em indivíduos com mais de 50 anos de idade.
 Não existem dados acerca da utilização de Bexsero em indivíduos com resposta imunológica diminuída. Nos indivíduos imunocomprometidos, a vacinação poderá não resultar numa resposta de anticorpos protetores.

5. Esquema, dose e volume

O esquema vacinal para a vacina meningocócica B (Bexsero) varia de acordo com a idade.

5.1. Lactentes dos 2 aos 5 meses de idade

A criança nesta faixa etária deverá receber um conjunto inicial de três injeções da vacina Bexsero, seguidas por uma quarta injeção (reforço). A primeira injeção deve ser administrada idealmente aos 2 meses de idade. O intervalo entre cada injeção deve ser, no mínimo, 1 mês. Será administrada uma quarta injeção (reforço) entre os 12 e 15 meses de idade. Caso seja adiado, o reforço não deve ser administrado após os 24 meses de idade.

5.2. Lactentes dos 6 aos 11 meses de idade

Os lactentes não vacinados entre os 6 e 11 meses de idade devem receber duas injeções seguidas por uma terceira injeção (reforço). O intervalo entre as injeções deve ser, no mínimo, 2 meses. Será administrada uma terceira injeção (reforço) no segundo ano de vida, após pelo menos 2 meses a partir da segunda injeção.

5.3. Crianças dos 12 aos 23 meses de idade

As crianças entre os 12 e 23 meses de idade devem receber duas injeções, seguidas de uma terceira injeção (reforço). O intervalo entre cada injeção deve ser, no mínimo, 2 meses. É administrada uma terceira injeção (reforço) após um intervalo de 12 a 23 meses a partir da segunda injeção.

5.4. Crianças dos 2 aos 10 anos de idade

As crianças entre os 2 e 10 anos de idade devem receber duas injeções. O intervalo entre cada injeção deve ser, no mínimo, 2 meses.

5.5. Adolescentes (a partir dos 11 anos) e adultos até 50 anos

Os adolescentes (a partir dos 11 anos) e adultos devem receber duas injeções. O intervalo entre cada injeção deve ser, no mínimo, 1 mês.

Caso ainda tenha dúvidas acerca da Bexsero, fale com o seu médico.

Notas:                                                                                            
 Devido ao risco de hematoma, a vacina meningocócica B (Bexsero) não foi avaliada em indivíduos com trombocitopenia, distúrbios que levam a sangramentos ou em uso de anticoagulantes. A relação risco-benefício para indivíduos com risco de hematoma após injeção intramuscular deve ser avaliada por profissionais de saúde.                                                                      
 Não existem dados sobre o uso de Bexsero em adultos com mais de 50 anos de idade.

6. Via de administração
A vacina é administrada por via intramuscular profunda, normalmente na coxa dos lactentes (2 meses a 11 meses) ou no braço das crianças, adolescentes e adultos.

Notas:
 Locais anatômicos distintos devem ser utilizados caso mais de uma vacina esteja sendo administrada simultaneamente.
 Deve ser evitada administração da vacina Bexsero na região glútea.

7. Conservação
A vacina deve ser conservada entre +2ºC e +8ºC (sendo ideal +5ºC), não podendo ser congelada. A vacina deve ser conservada na embalagem de origem para proteger da luz.